Primeira estação construída no Polo Sul é destruída

Ainda outro dia, bem recentemente,  falei sobre o Antartida ou Antartica e veja o que o li no Hypescience uma tradução do OurAmazingPlanet pela estudante de jornalismo Natasha Romanzoti , que regularmente publica no Hypescience.

Interessante que até as notícias que chegam lá na Antártida demoram para ser divulgadas, será que não interessa ou será por causa do frio?

Em dezembro passado, um pedaço da história explodiu: a primeira habitação permanente construída no Pólo Sul. Desde que foi erguida, em meados de 1950, a estação há muito abandonada foi engolida pela neve do continente gelado. E, depois de um acidente infeliz, a Estação Pólo Sul teve que desaparecer.

Já em 1972, a estação estava 4,5 ou 6 metros abaixo da superfície. Em essência, o terreno está subindo. A física da região torna qualquer construção lá um desafio. A elevação no Pólo Sul não mudou nos últimos 50 anos, mas se você colocar algo naquela superfície e voltar um ano mais tarde, vai estar afundado na neve.

Foi precisamente o que aconteceu com a antiga Estação Pólo Sul. Até sua explosão em dezembro, ela estava 9 metros abaixo da superfície.

A área havia se tornado perigosa. Um ano antes, um trator gigante acabou em cima da antiga estação. A neve caiu sob o peso da máquina, que atravessou o piso superior da construção. O motorista não se feriu, mas acabou no fundo de um buraco de 9 metros. Ele foi rapidamente recuperado, mas tirar o trator foi mais complicado.

O acidente foi um alerta. Tal problema tinha que ser resolvido, e foi; com a explosão da estação. A neve já volta a preencher a cratera deixada pelo desmoronamento.

Não que você se importe muito. O Pólo Sul é um lugar meio deserto, você provavelmente não vai visitá-lo um dia, e não deve estar se sentindo triste pela perda de uma de suas raras construções. Mas eis um motivo para você se importar com o fato: a estação desempenhou um papel crucial na história da ciência e do mundo.

A base de pesquisa foi construída por militares americanos, e inaugurada em janeiro de 1957. O projeto resultou do Ano Geofísico Internacional (AGI), um período de 18 meses de investigação científica coordenada (de julho de 1957 a dezembro de 1958), quando os Estados Unidos, a então União Soviética e vários países europeus enviaram milhares de pesquisadores em direção a regiões pouco exploradas do planeta.

Quando chegou a hora de arrumar as malas e voltar para casa, no fim do AGI, os americanos decidiram permanecer em seu posto. Não só pela ciência; uma estação permanente dos EUA na convergência das linhas de longitude do planeta tinha um valor estratégico enorme.

Estando lá há mais tempo do que qualquer outra nação, os EUA acreditavam ser capazes de exercer pressão para controlar o local. Sua estada prolongada foi uma das várias circunstâncias geopolíticas que pavimentaram o caminho para o Tratado da Antártida, assinado em 1959, o primeiro acordo de armas nucleares e uma decisão marco internacional de deixar o continente gelado livre de reivindicações territoriais por qualquer país (ainda em vigor hoje).

A primeira estação do Pólo Sul foi abandonada em 1974 por uma nova estação mais próxima, construída sob uma cúpula. A estação original, invisível sob a neve, foi marcada na superfície com bandeiras que cobriam uma área de cerca de 45 por 90 a 120 metros.

A área explodida pode receber novas construções em breve, talvez já em 2013. Com sua alta altitude, clima seco, o Pólo Sul oferece algumas das melhores condições de observação da Terra, muito cobiçadas entre os cientistas. A questão é apenas escolher locais que não precisarão ser explodidos no futuro.


Deixe um comentário

Arquivado em Outros

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s