Como bloquear a internet de um país inteiro?

Para silenciar dissidentes, em janeiro de 2011, o governo egípcio fez um movimento sem nenhum precedente: desativou a internet em todo o seu território. Como eles fizeram isso? E a mesma coisa poderia acontecer em outros países, como os Estados Unidos?

Segundo o cientista da computação David Clark, cuja pesquisa se concentra na arquitetura e desenvolvimento da internet, a capacidade de domínio de um governo sob a rede depende de seu controle dos chamados provedores de acesso à internet (em inglês Internet Service Providers, ISPs) – empresas privadas que concedem acesso à rede para seus clientes.

Há muitas maneiras de desativar os ISPs tecnicamente, quando o governa ordena que o seja feito. Uma delas é desligar os dispositivos (o que pode ser comparado a “tirar da tomada”) ou alterar as tabelas de roteamento. Nesse último caso, seria como matar digitalmente um serviço específico, permitindo que outros à escolha continuem funcionando.

Portanto, o que acontece em qualquer país depende do controle que o estado tem sob seus provedores de acesso. No caso do Egito, o principal prestador de serviços de telecomunicações, o Telecom Egypt, é estatal. Em outros lugares, como a China, os ISPs são regulados de forma ainda mais pesada e, no passado, já foram desativados em várias regiões.

Porém, é errado pensar que não há formas de se burlar o bloqueio. No Egito, as pessoas puderam utilizar smatphones para se comunicar com a rede global, as empresas puderam acessar à intranet de forma privada, e prestadores de acesso à internet com suas próprias conexões internacionais poderiam ignorar os circuitos da Telecom Egypt e continuar oferecendo suporte aos seus clientes.

Desativar a internet é uma questão de regulamentação. Segundo especialistas, no entanto, mesmo em tempos de crise não é possível que isso aconteça em países como os Estados Unidos – o presidente ou qualquer outra pessoa não tem acesso a um “interruptor” que desligue fisicamente a internet, e também não tem controle sobre os ISPs.

Isso pode mudar, no entanto, caso um projeto de proteção ao ciberespaço, introduzido no Senado norte-americano no ano passado, for aprovado. O projeto daria poderes efetivos ao governo para desligar fisicamente a internet, em caso de emergências no ciberespaço. Ao invés do bloqueio da liberdade de expressão, o plano pretende proteger a infra-estrutura dos ciberterroristas, mas ainda assim causa preocupação em muitos ativistas.

Para os especialistas, a cada dia a internet cresce de forma mais complicada, o que torna mais difícil seu desligamento completo. A rede está ricamente interconectada, e seria preciso trabalhar muito para encontrar um pequeno número de lugares onde seria possível prejudicar a conectividade. Além disso, a habilidade para controlar ou desativar o acesso à internet é uma guerra em curso. Novos tipos de ataque estão surgindo constantemente, assim como novas defesas. [Life’s Little Mysteries]

No Brasil, pelo que me lembro, a Embratel é a responsável pela telecomunicações e pela conexão internacional. Não sei se existem outros meios independentes, se alguém souber, coloque nos comentários.

Deixe um comentário

Arquivado em Tecnologia da Informação

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s